Religiosos se encontram com D. João Inácio para avaliação do ano da vida consagrada

Hoje, 09.12.2015, pela manhã, na Cúria Diocesana, em Lorena-SP, os religiosos que estão presentes na Diocese de Lorena, se reuniram com Dom João Inácio Muller e  Pe.Rodrigo F.Alves (coordenador diocesano de pastoral), para avaliar as atividades realizadas no Ano da Vida Consagrada, também para programar o Jubileu da Misericórdia dos Religiosos, a realizar-se em 02.02.2016, 19h00, na Catedral N.Sra. da Piedade(ocasião também de encerramento do Ano da Vida Consagrada). Também esteve na pauta, desta manhã de reunião, o processo das Assembleias 2016, em vista da atualização do Plano Diocesano de Pastoral.
Todas as comunidades religiosas com presença na diocese se fizeram representar!
O clima foi de muita alegria e o encontro muito positivo.

1a Turma da Escola de Formação Permanente de Catequistas

Hoje, 07.12.2015, na capela do Centro Diocesano de Evangelização, em Lorena-SP, Dom João Inácio Muller celebrou missa em ação de graças pela conclusão da escola de formação, de alguns catequistas da diocese.
O assessor diocesano da catequese, padre Rodrigo Lemos, o coordenador diocesano de pastoral, padre Rodrigo F. Alves, os seminaristas diocesanos que lecionaram no curso, estavam presentes.
A Sras. Cristina Marton e Marilda Paiva, do conselho diocesano de catequese, estiveram à frente destes 2 anos e 6 meses de trabalhos.
A escola aconteceu às 2as feiras, das 19:15-22:00, em Lorena, no centro diocesano de evangelização.

Retiro sobre a Misericordiae Vultus

A paróquia Senhor Bom Jesus de Cruzeiro promoveu no segundo semestre de 2015 um Retiro para reflexão da Bula Misericordiae Vultus. (não sabe o que é bula, acesse aqui).
A primeira parte do Retiro contou com a presença do Bispo Emérito de Lorena Dom Benedito Beni dos Santos e teve a participação representativa de membros todas as pastorais da paróquia.
Num segundo momento, foi proposto um filme sobre a vida da Madre Teresa de Calcutá, seguido de uma reflexão dirigida, sobre as ações e rumos a serem tomados pela paróquia nos anos seguintes.
Foi reforçado pelos paroquianos a importância de continuar as missões dois a dois nas casas de toda a extensão paroquial, como vem ocorrendo há um ano, e também a celebração da santa missa nas casas.

Esta nova dinâmica da paróquia como comunidade de comunidades a luz do documento de Aparecida, vem provocando um reavivamento nos fiéis a cada casa visitada.

Comissão Diocesana para dinamização do ano da misericórdia

Dom João Inácio Muller nomeou, no último dia 29 de novembro de 2015, uma comissão para dinamizar o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, na Diocese de Lorena.
Ao nomear esta comissão, o bispo diocesano deseja que, com ele, seja dinamizado a programação oficial (clique aqui), e também outras proposta criativas sejam colocadas à luz dos diocesanos.
Nomeou os sacerdotes:
 
Pe.Rodrigo Fernando Alves,
Pe.Rivelino Nogueira,
Pe.Márcio José do Prado,
Pe.Valdecy Alves da Silva Ferraz,
Fabrício de Sene Beckmann.
 
Já nesta próxima 6a. feira, 11 de dezembro de 2015, às 09h00, na Cúria Diocesana, D. João Inácio se encontrará com essa comissão para uma 1a. reunião.

Saiba como foi a Reunião da coordenação diocesana de pastoral

REUNIÃO DA COORD PAST DEZEMBRO DE 2015 2Neste último sábado, 05 de dezembro, na Igreja Nossa Senhora Auxiliadora, na cidade de Lorena -SP, aconteceu a última reunião da coordenação diocesana de pastoral do ano de 2015.
Estiveram presentes: nosso Bispo Diocesano D.João Inácio Muller, os padres que trabalham em nossas paróquias, a comissão diocesana de diáconos (CDD), alguns seminaristas representando nosso seminário diocesano, representantes de algumas casas religiosas, leigos coordenadores de pastorais/grupos/movimentos diocesanos, e os coordenadores leigos dos CPPs das paróquias.
A reunião teve a finalidade de instruir os presentes sobre o processo das Assembleias: paroquiais, setoriais e diocesana, que deverão ser realizadas no ano que vem, 2016. Por conta dessa tarefa, esteve presente Pe.José Adalberto Vanzella, doutor em teologia pastoral, e do clero de Taubaté-SP, que está acompanhando nosso processo de atualização do Plano Diocesano de Pastoral.
Na data, foi entregue aos presentes, o calendário diocesano de 2016, e o subsídio que será o texto base para a realização das assembleias paroquiais.
Os presentes trabalharam em grupos, olhando de perto  o subsídio e discutindo o caminho das assembleias. 
Antes do encerramento da reunião, as dúvidas foram tiradas e combinamos que para as assembleias setoriais as paróquias poderão enviar de 2 a 5 representantes, desde que estes tenham feito o processo na paróquia. E para a assembleia diocesana, cada paroquia enviará 2 representantes.
As casas religiosa, novas comunidades e a Canção Nova são convidados a realizarem o estudo do subsídio para as assembleias paroquiais em suas próprias casas/realidades. E contribuindo com suas reflexões, leva-las, através da presença de 2 representantes que fizeram o processo, nas assembleias setoriais (nos setores pastorais onde estão inseridos).
 
A assembleia diocesana, em 2016, será:
dias 03 e 04 de dezembro (sábado e domingo) – na Casa da Canção Nova – Lavrinhas -SP.
Para esta data, os que já sabem que são convocados, devem se organizar para estar o tempo todo, vivenciando esse importante processo em vista da atualização do nosso Plano Diocesano de Pastoral.
 
Que Deus anime e ilumine a todos nós, por intercessão de nossa Padroeira Diocesana, a Sra. da Piedade.
 
Pe.Rodrigo, Fernando Alves – coordenador diocesano de pastoral
Mons. José Benedito Barbosa- secretário da coordenação de pastoral
Pe.Fábio Nogueira de Sá – secretário da coordenação diocesana de patoral

Reflexão da 14ª semana do tempo comum

Paz e bênção.

tempo comum14º Domingo do Tempo Comum:

Deus manifesta-Se aos homens na fraqueza e na fragilidade.

 

Deus chama pessoas para serem testemunhas do seu projeto de salvação. Não interessa se essas pessoas são frágeis e limitadas; a força de Deus revela-se através da fraqueza e da fragilidade desses instrumentos humanos: Deus escolhe e envia; são, no meio do seu Povo, a voz de Deus.

O verdadeiro profeta está habitado pelo Espírito Santo, para ser enviado aos seus irmãos e lhes anunciar a Palavra de Deus. Mas não se trata de uma missão de descanso! A Palavra de Deus inquieta sempre, porque convida os homens a descentrarem-se de si mesmos. Deus atua e manifesta o seu poder no mundo através de instrumentos débeis, finitos e limitados.

A finitude e a fragilidade não são determinantes para a missão; o que é determinante é a graça de Deus. Com a graça de Deus, Paulo tudo pode, apesar da sua debilidade. Deus atua e manifesta o seu poder no mundo exatamente através de instrumentos débeis, finitos e limitados.

”Alegro-me nas minhas fraquezas, nas afrontas, nas adversidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor de Cristo, porque, quando sou fraco, então é que sou forte” (2Cor 12, 10).

Lembremos: pelo nosso batismo e confirmação, todos somos chamados a ser profetas, a deixar-nos habitar pelo Espírito, pela Palavra de Deus, para nos tornar arautos e testemunhas onde vivemos.

 Abraço.

 

Advento: Tempo de preparar o coração

Advento II“O Advento é o tempo para preparar os nossos corações a fim de acolher o Salvador, isto é, o único Justo e o único Juiz capaz de dar a cada um a sorte que merece. Aqui, como noutros lugares, muitos homens e mulheres têm sede de respeito, justiça, equidade, sem avistar no horizonte qualquer sinal positivo. Para eles, o Salvador vem trazer o dom da sua justiça (cf. Jr 33, 15). Vem tornar fecundas as nossas histórias pessoais e coletivas, as nossas esperanças frustradas e os nossos votos estéreis. E manda-nos anunciar, sobretudo àqueles que são oprimidos pelos poderosos deste mundo, bem como a quantos vivem vergados sob o peso dos seus pecados: ‘Judá será salvo e Jerusalém viverá em segurança. Este é o nome com o qual será chamada: Senhor-nossa justiça’ (Jr 33, 16). Sim, Deus é Justiça! Por isso mesmo nós, cristãos, somos chamados a ser no mundo os artesãos duma paz fundada na justiça” (Papa Francisco, Catedral de Bangui, República Centro-Africana, 29/11/2015).

Domingo de Ramos na paixão do Senhor

 A liturgia deste último Domingo da Quaresma convida-nos a contemplar nosso Deus que, por amor, desceu ao nosso encontro, partilhou a nossa humanidade (dizendo que somos criados para participar da Sua divindade), fez-Se servo dos homens, deixou-Se matar para que o egoísmo e o pecado fossem vencidos. A cruz apresenta-nos a lição suprema, o último passo desse caminho de vida nova que em Jesus, Deus nos propõe: a doação da vida por amor, a entrega da vida, da sua vida.
A primeira leitura apresenta-nos um profeta anônimo, chamado por Deus a testemunhar no meio das nações a Palavra da salvação. O profeta é o homem da Palavra, através de quem Deus fala. O profeta é inteiramente modelado por Deus. O texto de Isaías nos assevera: apesar do sofrimento e da perseguição, o profeta confiou em Deus e concretizou, com teimosa fidelidade, os projetos de Deus. Os primeiros cristãos viram neste “servo” a figura de Jesus. Jesus, o “servo” sofredor que fez da sua vida um dom por amor, mostra aos seus seguidores o caminho que é verdadeiro e que conduz ao Pai.

A segunda leitura apresenta-nos o exemplo de Cristo, Ele prescindiu do orgulho e da arrogância, para escolher a obediência ao Pai e, assim, o serviço aos homens, até ao dom da vida. É o caminho para o céu. Somos convidados a encarnar os valores que marcaram a trajetória existencial de Cristo. Para nós, cristãos, Cristo é o modelo: servo sofredor e humilde, que fez da sua vida um dom para todos. temos, pois, a iniludível obrigação de nos comportar como Cristo. Esse caminho não levará ao aniquilamento, mas a glória, a vida plena. É como o grão de trigo caido na terra: brotará. Os acontecimentos que, nesta semana, vamos celebrar garantem-nos que o caminho do dom da vida não é caminho de “perdedores” e fracassados: o caminho do dom da vida conduz ao sepulcro vazio da manhã de Páscoa, conduz a ressurreição, conduz a vida intima no seio do Pai.
No evangelho temos a mais linda moldura. E precisamos parar: olhar, contemplar, admirar e aprender, pois a vida exala, fala e se nos é comunicada desta moldura. Eis, pois, como ouvimos, o Evangelho nos convida a contemplar a paixão e morte de Jesus: é o momento supremo de uma vida feita dom e serviço, a fim de libertar os homens de tudo aquilo que gera egoísmo e escravidão. Na cruz, revela-se o amor de Deus – esse amor que não guarda nada para si, mas que sefaz dom total.
Marcos apresenta Jesus como o Filho de Deus que aceita cumprir o projeto do Pai, mesmo quando esse projeto passa por um destino de cruz. Somos levados a concluir, ocmo o centurião romano que testemunha a paixão de Jesus: “na verdade, este homem era Filho de Deus” (Mc 15, 39) A morte de Jesus tem de ser entendida no contexto daquilo que foi a sua vida. Jesus, conduzido pelo Espírito Santo, sabia que o Pai O chamava a missão de anunciar o Reino de Deus, um mundo novo, de justiça, de paz e de amor para todas as pessoas. Ensinou, por usa palavra e por sua vida, que Deus é amor e que não exclui ninguém, nem mesmo os pecadores; ensinou que os leprosos, os paralíticos, os cegos não devem ser marginalizados; não são amaldiçoados por Deus; ensinou que os pobres e os excluídos são os preferidos de Deus; convidou todos a ter coração disponível para acolher o “Reino”; e avisou, contudo, os “ricos” (os poderosos, os instalados, os que não querem mudança, como os fariseus, escribas e sacerdotes) de que o egoísmo, o orgulho, a autossuficiência, o fechamento só podem conduzir a morte.
Por isso, prenderam Jesus, julgaram-no, condenaram-no e pregaram-no numa cruz. A morte de Jesus é a consequencia lógica do anúncio do “Reino”: daquilo que Jesus pregou com palavras e com gestos: o amor, o dom total, o serviço: a igualdade de todos perante Deus, que é Pai de todos. Os dirigentes da religião e do estado não queriam um deus assim. Mataram-no.
Celebrar a paixão e a morte de Jesus é abismar-se na contemplação de um Deus a quem o amor tornou frágil… Por amor, Ele veio ao nosso encontro, assumiu os nossos limites e fragilidades, experimentou a fome, o sono, o cansaço, conheceu as tentações, experimentou a angústica e o pavor diante da morte; e, estendido no chão, esmagado contra a terra, atraiçoado, abandonado, incompreendido, continuou a amar e a rezar. Desse amor resultou vida plena, que Ele quis repartir conosco “até o fim dos tempos”: esta é a mais espantosa história de amor que é possível contar; ela é a boa notícia que enche de alegria o coração dos cristãos.

Contemplar a cruz onde se manifesta o amor e a entrega de Jesus significa assumir a mesma atitude que Ele assumiu e solidarizar-se com aqueles que são crucificados neste mundo; Dia 26/03, nosso Pároco me enviou a seguinte mensagem, que cabe bem neste contexto: “UMa coisa é olhar para um crucifixo, e outra é olhar para um homem, uma mulher, uma criança doente, ou seja, os crucificados em sua doença: eles são a carne de Cristo” Papa Francisco.

Finalizando: Que esta semana seja “santa”… Reservemos momentos preciosos para a intimidade com o Senhor, participemos das Celebrações, visitemos uma pessoa que não pode vir as celebrações. Abençoada Semana da Paixão para todos.

Dom João Inácio Muller, Bispo de Lorena SP

 

 

Reunião da Coordenação Diocesana de Pastoral

 

MITRA DIOCESANA DE LORENA

mitra l - Copia

 

Aos Presbíteros, Comissão Diocesana de Diáconos, seminaristas, religiosos, coordenadores diocesanos de pastorais / movimentos e coordenadores leigos dos CPPs

 

 

Paz e bênção!

 

Tendo em vista a importância do ano de 2016 para a caminhada pastoral de nossa Diocese, viemos, por meio desta, convocar:

 

Reunião da Coordenação Diocesana de Pastoral

Dia: 05 de dezembro de 2015

Horário: das 8h30 – 13h00 (encerrando com o almoço)

Local: Igreja Nossa Senhora Auxiliadora – Vila Passos – Lorena/SP

 

Para: todos os padres diocesanos que trabalham nas nossas paróquias, o Conselho Diocesano de Diáconos (CFF), 1 seminarista estudante de teologia e 1 estudante de filosofia (Seminário da Diocese e da Canção Nova), 2 padres da Canção Nova, 2 representantes da Comunidade Canção Nova, 1 representante de cada Casa Religiosa, os coordenadores leigos das pastorais / grupos / movimentos diocesanos, e 1 leigo coordenador do CPP de cada paróquia.

 

O objetivo dessa reunião é principalmente orientar nossa caminhada pastoral do próximo ano, na realização das Assembleias: paroquiais, setoriais e diocesana.

Tendo em vista a importância do processo e realização das assembleias na futura atualização do nosso plano de pastoral, a presença dos convocados é de suma importância.

 

Fraternalmente, 

Lorena, 23 de novembro de 2015.

 

Pe. Rodrigo Fernando Alves

Coordenador Diocesano de Pastoral

 


brasaoII

Dom João Inácio Müller, ofm

Bispo Diocesano de Lorena

 

 

 

Reuniao diocesana de pastoral